A liberdade de esculpir a si mesmo

Quando observamos uma escultura, podemos pensar que o autor da obra retirou as camadas de pedra bruta até conseguir alcançar o seu propósito de comunicar uma imagem, sua criação. Podemos realizar uma analogia com a existência humana.

Cada pessoa empregando o martelo, que denominamos motivação para viver, e o cinzel que simboliza as decisões, irá comunicar a si e aos outros sua história, que afirmamos a peça de arte, escultura de si mesmo. Muitos críticos de obra acabada poderão ser exigentes quanto ao estilo e à estética para exibição pública, entretanto, cada pessoa constrói sua escultura, com as decisões mais adequadas durante sua existência.

A existência humana possibilita a continuidade daquilo que foi iniciado, ainda que algumas decisões tenham sido difíceis e, muitas vezes, chegando a ser destoante da ética. Então, é possível recomeçar com juízos mais adequados, em harmonia com as virtudes tornando uma obra, fruto da insatisfação e do desejo equivocado, em algo que represente uma realização pessoal. Essa realização pouco importa estar associada ao grau de importância na organização social, poder ou aparência física e sem necessidade de ocultação dos próprios atos. Porque o homem com virtudes independe de outros laços que não seja o compromisso com a vida, disseminando o melhor de si.

Dr. João Palma Filho
Psicólogo – CRP 146.528
Matéria publicada no jornal Regional News, edição n°1574

Total Page Visits: 143 - Today Page Visits: 1
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook
Facebook
YouTube
Instagram
Open chat
1
Olá! Agradecemos por estar aqui. Como podemos te ajudar?