O diagnóstico de câncer e os cuidadores informais

Quando uma pessoa recebe o diagnóstico de câncer, geralmente alguém da família de origem, da família atual ou, ainda que não tenha consanguinidade, esteja integrado à família, passa a assumir os cuidados, principalmente quando há uma maior fragilidade. Lembramos que o diagnóstico faz emergir o medo e a tristeza, envolvendo a todos.

Assim, considerando-se que o grupo desenvolveu sentimentos de amor e respeito, irão compartilhar as atividades para oferecer o melhor atendimento à pessoa com câncer. Contudo, pode ocorrer uma manifesta concorrência entre os familiares buscando demonstrar quem mais auxilia, provocando-se o isolamento entre eles e muitos se declarando cuidadores.

Outra situação, que pretendemos destacar aqui, é a possibilidade de solidão do cuidador, quando se vê ao longo do tempo, isolado socialmente com a pessoa com câncer, mantendo eventual contato pelas redes sociais com os demais familiares. Portanto, a organização do quadro familiar, para o enfrentamento da doença, depende da qualidade das relações interpessoais, com repercussão na saúde mental da pessoa do cuidador informal, podendo agravar a ansiedade e provocar depressão, em razão do estresse, isolamento, mudança na rotina, tristeza e medo, presentes no seu cotidiano.

Dr. João Palma Filho
Psicólogo – CRP 146.528

Matéria publicada no jornal Regional News, edição n°1561

Total Page Visits: 258 - Today Page Visits: 1
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook
Facebook
YouTube
Instagram
Open chat
1
Olá! Agradecemos por estar aqui. Como podemos te ajudar?